O dinheiro é, sem dúvida, uma das bases mais importantes da civilização moderna. Por milênios, ele serviu como uma espécie de linguagem para o valor, facilitando o comércio entre indivíduos e permitindo que eles armazenem o produto do seu trabalho.

Em termos amplos, a definição de dinheiro é “algo amplamente aceito como pagamento por bens e serviços”. As sociedades ao redor do mundo geraram muitos tipos diferentes de dinheiro – tantos, que é difícil categorizá-los de forma clara.

Neste artigo, distinguiremos entre dinheiro “commodity”, dinheiro “representativo” e dinheiro “fiat”.

Antes do dinheiro: a troca direta

A troca direta refere-se ao ato de trocar bens ou serviços por outros bens ou serviços. Curiosamente, isso também pode ser observado em outros contextos da vida. Espécies no reino vegetal e animal estabelecem acordos não verbais – relacionamentos simbióticos – em que ambas se beneficiam das ações uma da outra. Por exemplo, as árvores de acácia fornecem alimento e abrigo para as formigas em troca de proteção contra parasitas. Zebras e rinocerontes se livram de carrapatos permitindo que pássaros-pica-pau se alimentem dos que se prendem à sua pele.

Claro, os seres humanos têm uma compreensão diferente e mais sofisticada do valor do que as espécies acima mencionadas. Muito antes do aparecimento do dinheiro como o conhecemos hoje, entendíamos que poderíamos trocar nossos bens pelos bens dos outros.

Não poderia ser mais simples. Suponha que você tenha um casaco e seu vizinho tenha maçãs. Ela está com frio e você está com fome. Você dá a ela o casaco em troca de vinte maçãs. Ambos obtiveram o que queriam ao trocar o que possuíam.

Infelizmente, nem sempre será tão simples. Você provavelmente vai querer mais maçãs depois, mas o novo casaco da sua vizinha vai durar alguns anos. Ela pode não querer trocar novamente quando você o fizer. Ela pode ficar sem sorte se quiser comprar gasolina, mas o dono do posto é alérgico a maçãs e não as aceitará.

Esse fenômeno é conhecido como “coincidência de desejos” na economia. A troca direta funciona bem quando você tem algo que a outra parte deseja e vice-versa. Ela falha quando as partes não precisam dos bens pertencentes à outra.

Dinheiro na forma de mercadorias

Mercadorias são matérias-primas que são úteis de alguma forma (alguns podem dizer que têm “valor intrínseco”). Essa definição abrange uma ampla gama de coisas – desde metais como ouro, prata e cobre até produtos consumíveis como trigo, café e arroz.

Segue-se que o dinheiro na forma de mercadorias envolve o uso de mercadorias como dinheiro. Você provavelmente não conseguiria gastar petróleo na sua loja local, mas existem inúmeros exemplos ao longo da história de matérias-primas úteis sendo estabelecidas como moeda.

Por exemplo, o tabaco foi declarado como meio legal de pagamento na Virgínia no século XVII. Como Nick Szabo detalha em seu influente ensaio “Shelling Out: The Origins of Money“, tribos nativas americanas usavam wampum (contas feitas de conchas de moluscos) e conchas de caramujos como meio de troca. Assim como o tabaco na Virgínia, essa mercadoria também foi adotada como meio legal de pagamento por décadas.

À primeira vista, negociar com mercadorias pode não parecer muito diferente das economias de troca direta. Afinal, se você tem um livro e oferece para vendê-lo por arroz, você não está fazendo a mesma coisa que discutimos anteriormente?

Funcionalmente, sim, mas o dinheiro na forma de mercadorias atua como um “meio de troca”. Nesse cenário, você esperaria que o arroz fosse amplamente aceito como meio de pagamento por bens ou serviços. Portanto, ao contrário das economias de troca direta, onde você troca bens ou serviços por outros bens ou serviços, o arroz seria um meio atraente de troca em muitos negócios.

Você, portanto, estaria inclinado a calcular o valor do seu livro com base no que poderia comprar com arroz. Você aceita o arroz, não necessariamente porque vai comê-lo, mas porque pode trocá-lo por outros bens. Se a mercadoria em questão é tão prolífica, ela também pode servir como uma “unidade de conta” – algo que você usa para precificar outros bens. Em um mundo assim, a quantidade de dinheiro que você paga por um café pode ser expressa em quilogramas de arroz.

O dinheiro na forma de mercadorias contorna o problema da “coincidência de desejos” que você encontra na troca direta. Isso ocorre porque você pode pegar o dinheiro na forma de mercadoria e usá-lo em outro comércio posteriormente.

Metais preciosos, como ouro e prata, são talvez as formas mais conhecidas de dinheiro na forma de mercadorias. O ouro persistiu ao longo das civilizações, usado tanto como dinheiro quanto como metal industrial. Até hoje, moedas de ouro e barras são consideradas como a quintessência do armazenamento de valor. Os investidores depositam sua riqueza nesse metal precioso para poder acessá-lo em uma data posterior. Existem muitas razões pelas quais o ouro é reverenciado – exploramos as funções do dinheiro que ele cumpre em “O Bitcoin é uma reserva de valor?”.

As mercadorias não desapareceram. No entanto, como moedas, foram amplamente substituídas por outras formas de dinheiro.

Dinheiro representativo

O dinheiro na forma de mercadorias certamente foi uma melhoria em relação ao sistema de troca direta, mas ainda tinha suas limitações, especialmente do ponto de vista da conveniência. Embora você pudesse carregar algumas moedas de ouro e prata no bolso e usá-las para fazer pequenas compras, o conceito não é escalável.

Você consegue imaginar tentar fazer compras de médio a grande porte com moedas hoje em dia? Para que você tenha uma ideia, se você quisesse comprar um bitcoin de alguém por 8.000 euros, precisaria trazer cerca de 60 kg de moedas de um euro com você.

Depois do dinheiro na forma de mercadorias, surgiu o dinheiro representativo – uma alternativa muito mais portátil, respaldada por mercadorias. O dinheiro representativo surgiu em diferentes lugares ao redor do mundo em diferentes momentos. Em essência, envolve um emissor central que produz certificados que podem ser resgatados por uma determinada quantidade dessa mercadoria.

Em vez de carregar libras de prata, você poderia ter pedaços de papel comprovando sua propriedade. A qualquer momento, você poderia ir ao emissor e trocar o papel pela prata real. Alternativamente, você poderia entregá-lo a alguém como pagamento, e eles poderiam resgatá-lo eles mesmos. Se você está familiarizado com “stablecoins”, é essencialmente o mesmo princípio.

Há ocorrências de empresas privadas emitindo dinheiro representativo, mas isso foi feito em uma escala muito maior pelos bancos centrais. Você provavelmente está familiarizado com o padrão-ouro, uma política adotada por muitos governos em que as moedas nacionais eram lastreadas em ouro. Parece muito distante do sistema atual, mas menos de um século atrás, você poderia levar dinheiro em papel ao banco e trocá-lo por metais preciosos.

Do ponto de vista econômico, isso teve alguns benefícios substanciais. Tão substanciais que “o padrão-ouro” ainda é um termo usado para descrever algo que supera as alternativas. A primeira vantagem era que, embora a intervenção governamental aumentasse, a moeda não era facilmente desvalorizada por meio da inflação. Os governos não podiam emitir notas bancárias além da quantidade que possuíam – teoricamente, pelo menos. Infelizmente, era fácil (e atraente) para os bancos operarem uma política de reserva fracionária, criando mais notas do que havia ouro em estoque.

O padrão-ouro permitia que os indivíduos efetuassem transações com ouro, sem o incômodo de carregar lingotes ou ter que dividi-los para fazer compras.

Outro benefício desse sistema monetário está relacionado ao fato de que o ouro sempre foi reconhecido em escala internacional. Se suas economias domésticas fossem centradas em ouro, então os países no padrão-ouro poderiam negociar mais facilmente com um recurso globalmente apreciado.

Dinheiro Fiat

O dinheiro representativo não é mais a forma dominante de dinheiro. A morte do padrão-ouro viu uma nova forma de dinheiro adotada globalmente – uma totalmente desvinculada de mercadorias.

Em resumo, o dinheiro “fiat” é emitido por um governo (o termo “fiat” vem de uma palavra latina que significa “por decreto”). Os dólares americanos, pesos mexicanos, ienes japoneses e rúpias indianas usados atualmente são todos exemplos disso.

O valor do dinheiro fiat depende muito das decisões dos governos e dos bancos centrais. Em essência, uma cédula fiat é um pedaço de papel que tem valor apenas porque os órgãos governamentais dizem que tem.

Deve-se observar que, embora seja às vezes visto como uma invenção recente, o dinheiro fiat na forma de papel realmente remonta à China do século XI. Ele também foi experimentado na Europa do século XVII e nas Américas por alguns séculos depois.

Ao contrário dos tipos de dinheiro que discutimos até agora, a moeda fiat não possui elemento de escassez. É trivial produzir moeda de papel a partir de materiais prontamente disponíveis, ao contrário de commodities agrícolas que levam tempo para crescer ou de metais preciosos que precisam ser extraídos. Sem essas limitações, entidades como o Federal Reserve podem criar novo dinheiro do nada.

Dependendo de quem você perguntar, isso é tanto sua maior força quanto sua maior fraqueza. Defensores de sistemas monetários fiat argumentam que a capacidade de inflar a oferta de dinheiro dá aos governos mais flexibilidade para lidar com crises financeiras ou gerenciar a economia como um todo. Controlando o mercado monetário e as taxas de juros, o governo tem um alto grau de controle sobre os assuntos financeiros do país.

Curiosamente, o mesmo argumento é apresentado por opositores da moeda fiat, embora de forma diferente. Uma das principais críticas à política monetária governamental é que a inflação gradualmente erode a riqueza dos detentores de dinheiro fiat. Descontrolada, ela pode desencadear um período agressivo de inflação (hiperinflação), que essencialmente desvaloriza completamente a moeda e pode causar danos econômicos e sociais massivos.

O papel das criptomoedas no contexto do dinheiro

Bitcoin tem sido rotulado tanto como dinheiro digital quanto como ouro digital. Por um lado, ele imita muitas das características do dinheiro visto em mercadorias (ou seja, fungibilidade, divisibilidade, portabilidade), tornando-o um meio de troca ideal.

Por outro lado, ele é cada vez mais apreciado por suas propriedades de reserva de valor. Defensores do Bitcoin como ouro digital acreditam que sua política de oferta de deflação (ou mais corretamente, desinflação) ajudará a manter seu poder de compra ao longo do tempo. Isso contrasta fortemente com moedas inflacionárias como o dólar americano, que podem ser desvalorizadas a critério do sistema do Federal Reserve.

À primeira vista, as criptomoedas parecem se encaixar na categoria de dinheiro na forma de mercadorias. Embora elas não tenham nenhum uso fora de seus protocolos, não são respaldadas por nada nem emitidas por entidades governamentais. O valor do dinheiro, no caso das moedas digitais, deriva da valoração dada a ela pelo mercado livre.

Considerações finais

Como vimos, o dinheiro assume muitas formas. A maioria de nós está acostumada a pensar em valor nas nossas moedas fiat nacionais, mas essas são invenções relativamente recentes. Os aplicativos de pagamento que usamos hoje são resultado de milhares de anos de evolução monetária.

As criptomoedas são um experimento promissor no próximo capítulo do dinheiro. Se o Bitcoin ou outras criptomoedas fossem amplamente adotados, seriam os primeiros exemplos reais de commodities digitais. O tempo dirá se as criptomoedas irão substituir o reinado atual das moedas fiat ao redor do mundo.

Atualizado em by Forex Digital
Registro Rápido

Obtenha um Bônus de 50% agora. Até 90% de lucro em 60 segundos. Conta demo gratuita!!

90%
Pontuação de Confiança

Ganhe $10.000 Virtuais! Nas Corretoras Abaixo

icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Risco de Perda de Capital
Pontuação de Confiança
O dinheiro é, sem dúvida, uma das bases mais importantes da civilização moderna. Por milênios, ele serviu como uma espécie de linguagem para o valor, facilitando o comércio entre indivíduos e permitindo que eles armazenem o produto do seu trabalho.